PET NO AVIÃO

É possível viajar com seu pet, quer para destinos nacionais, quer para internacionais, mas, existem algumas regras a serem seguidas, que variam de acordo com a companhia e o pet que você está levando. Abaixo separamos algumas regras gerais. Consulte o site da respectiva empresa antes de viajar.

Para levar os animais, donos devem ficar atentos a várias regras da companhia aérea

Se você acha que levar o seu pet é simples, não cultive esperanças, a Gol pede que os passageiros que quiserem levar os bichinhos a bordo cumpram com certas regras. Para carregar tanto cães quanto gatos é preciso colocá-los dentro de uma caixa de transportes que tenha espaço suficiente para que o animal possa dar uma volta completa. A caixa com o pet deve ser colocada embaixo da poltrona, ou seja, o animal transportado não pode ser muito grande para que ele possa ser acomodado na parte de baixo da poltrona e o peso máximo autorizado é de dez quilos. A idade mínima dos pets para poderem ser transportados é de quatro meses.

É necessário que o bicho esteja bem cuidado, com boas condições de higiene. Importante também é que o pet possua as vacinas em dia.

Outra condição fundamental para que o animal possa embarcar, é que o dono apresente um documento exigido pela Agência Nacional de Aviação Civil, o atestado de saúde. Este documento é expedido pela Secretaria de Agricultura Estadual, por um veterinário ou por um Posto do Departamento de Defesa Animal.

Há regras também quanto ao local onde os passageiros com pet podem se sentar, isto é, não é permitido ocupar os lugares nas saídas de emergência ou na primeira fila do avião.

Estas são algumas das principais regras que a empresa impôs para que passageiros possam levar os seus bichinhos consigo.

Agora você já sabe que pode levar seu amiguinho, para passear, ainda que você não vá imigrar para Quebec, pode levar seu bichinho para a viagem ao Canadá.

COMO CUIDAR DO SEU CACHORRO

Um desvantagens dos cachorros sobre os gatos, é que você precisa gastar horas, dias e tapetes até que seu filhote aprenda a fazer xixi e cocô no lugar certo. Alguns filhotes aprendem mais rápido, outros são mais “atrasadinhos”…mas com paciência a gente sempre consegue ensinar. Claro que não adianta querer ensinar um filhote de 45 dias onde é o local do xixi, porque ele ainda é novinho demais pra entender. Lá pela décima semana (2 meses e meio a três meses) é quando o filhotinho começa a ser independente e é aí que devem começar os primeiros ensinamentos básicos. Nada de “senta”, “deita”, “finge de morto”….estou falando do “não”, do “muito bem” e do certo e errado.

Vou tentar fazer este post com as perguntas mais frequentes e as respostas, pra facilitar um pouco a coisa.

cuidar do cachorro

Como ensinar o filhote onde é o local de fazer xixi e cocô?

Existem muitas técnicas. A mais simples é colocar um jornal ou paninho no lugar escolhido e levar seu filhote pra lá sempre que você perceber que ele vai fazer xixi. Não é garantido, muitos filhotes não sacam o “esquema” e só vão te achar meio maluco, carregando ele pra cima e pra baixo enquanto ele faz xixi na sua roupa pelo meio do caminho. Outra técnica, é usar spray ou aquelas fraldinhas especias com odor atrativo. O filhote é atraído pelo cheirinho e faz seu xixi no lugar certo.

Mas, melhor do que ensinar seu filhote onde fazer xixi é ensina-lo onde ele NÃO deve fazer xixi. Sempre que pegar seu filhote fazendo xixi ou cocô no lugar errado, diga “não”, de modo autoritário e alto (não precisa gritar, né?!). Não venha com “Totó! Meu tapete…aí não pode…ai, seu filho de uma cachorra sarnenta, eu vou te matar”. Seu cachorro não entende tudo isso. Ele precisa entender que não pode… e dizer “não” é o suficiente. Pode ser complementado com um tapinha no focinho ou na “bundinha” (tapinha! Nada de bicuda nas costelas! Lembre-se que filhotes, mesmo os de raça grande, são frágeis e quebram fácil!)

Sabedoria do xixi compartilhada, vamos ao próximo passo: Quando e como posso dar banho no meu filhote?

Os filhotes podem começar a tomar banho depois de completadas as vacinas, mais ou menos no quarto mês. Antes disso, caso ele esteja muito fedidinho, pode ser feita uma limpeza com lencinhos umedecidos (aqueles de bebê) e escovação nos filhotes de pelo longo. O banho deve ser dado com água morninha (cuidado com água quente, pode fazer cair o pelo e nem tratamento para calvície canina resolve), usando shampoo e sabonetes próprios para animais. De preferencia hipoalergênicos e sem cheiro. Evite perfumes. Shampoo anti pulga e carrapato só com orientação do veterinário! Filhotes são muito sensíveis! Não esqueça também de colocar algodão nas orelhinhas. A água dentro das orelhas além de desconforto pode causar otites.

Após o básico sobre limpeza, vamos a próxima etapa: quando adestrar?

O adestramento por profissional é recomendado para todas as raças grandes e gigantes. Não porque estes animais sejam mais agressivos ou perigosos, mas é que um animal pequeno é facil de ser controlado. Qualquer malcriação você pega no colo e leva pra fora. Agora, um dogue alemao de 70kg, cuméquifaz? O adestramento pode ser iniciado a partir dos 6 meses. É mais ou menos como a gente aprender um novo idioma , enquanto criança a gente aprende a falar qualquer língua facinho, facinho (tipo aquele menino americano que aprendeu como primeiro idioma o Klingon, falado pelos vulcanos em Star Trek…) depois de grande é um muito mais dificil! Logo, quando antes começar melhor.

Adestrar segue os princípios de Pavlov ( O Cão de Pavlov é meu segundo ‘animal’ favorito, logo depois do Gato de Schrödinger), conhecidos como “reflexo condicionado”. O animal aprende a realizar determinados comandos (ou a não fazer algumas coisas) com base nas consequencias. Teoricamente é muito simples, mas exige muita paciência e bastante técnica! Por isso, se possível, contrate um adestrador profissional ou faça um curso de adestramento antes de sair adestrando “na lôca”. Seu cachorro agradece!

Mas claro que filhote que é filhote, apronta pra caramba! O que fazer com as malcriações?

Vamos para as principais:

O que fazer para o cachorro parar de cavar no meu jardim?

Pois é, cachorros cavam. Faz parte da natureza deles. Eles precisam cavar para gastar as unhas, se exercitar e etcs…. mas isso não significa que você precisa conviver com obras do metrô canino no seu canteiro de margaridas! Uma ideia boa para acabar com a “cavação” é tapar o buraco enterrando um cocô do seu cachorro lá dentro. Para explicar como funciona, vamos imaginar uma história de piratas. Jack Sparrow achou um mapa do tesouro, o X indica onde o baú está escondido. Ele pega o Pérola Negra e vai feliz até a Ilha das Margaridas pegar o seu tesouro. Chegando na ilha, ele segue o mapa até o X (que é bem onde ficam as margaridas mais bonitas), pega a pá e começa a cavar. Cava, cava, cava, cava….até que acha alguma coisa! É um bau do tesouro recheado de moedas e pedras precioas? Não! Ele está cheio de cocô! Deu pra imaginar a frustração? Pois é, se eu fosse o Jack Sparrow, nunca mais ia cavar um buraco na vida. Seu cachorro provavelmente, vai pensar da mesma forma.

 

Sentiu a expectativa e a frustração? Seu cachorro nunca mais vai querer ser o maior pirata dos Sete

Mares

Canis… talvez ele resolva virar ninja, já que não pode ser pirata, mas isso é outra história…

Maaaaas, peralá! As vezes os cães cavam buracos por outros motivos além da diversão e pura malignidade para com a grama verdinha do quintal. Eles podem cavar buracos quando estão estressados ou com frio, porque, além de se esquentar pelo exercicio de abrir o buraco, lá dentro é mais quentinho e protegido do vento. Curiosamente, eles também abrem buracos quando estão com calor, porque dentro do buraco a terra é mais úmida e fresquinha. Resumindo: para os cães, buracos são como ankle boots para as mulheres, você pode usar em todas as estações! Por isso, antes de ter um chilique, procure ver direitinho porque o seu cão está cavando.

Como faço para ele parar de roer os móveis?!

Sabe bebês, quando começam a nascer os dentes e ele têm febre e choram e essas coisas todas? Com os cães é muito parecido. O crescimento dos dentes “coça” e eles sentem necessidade de gastar esses dentes. Por isso roem tudo que encontram pela frente (principalmente as raças de caça, como os terriers). Para evitar, não deixe seu cão dentro de casa e com contato com os móveis até passar essa fase. Se isso nao for possível, arrume brinquedinhos e mordedores pra que ele possa “gastar” os dentes sem estragar nada. Pode-se usar spray especial nos móveis, que afastam o animal. Pergunte no petshop!

Ele destrói a casa inteira! O que fazer?

Todo mundo já teve aquele episódio de chegar em casa a noite e encontrar tudo de cabeça pra baixo. Livros e revistas estragados, sofá com “as tripas” saindo pra fora, papel higienico na casa inteira. Porque isso acontece? Filhotes são crianças, eles têm uma energia absurda! E, no nosso mundinho moderno, a maioria deles não tem onde gastar essa energia toda e acabam descontando nos móveis. Para evitar, saia todo dia com o seu filhote (depois que ele tiver as quatro doses de vacina! antes disso nao pode!), brinque com ele, corra com ele…para que ele gaste um pouco da “bateria”.

Outra coisa que leva os cães a destruir a casa quando sozinhos é a solidão e ansiedade. Coisa de gente, como eu disse neste post aqui. Nesses casos o que resolve é: ter outro cão (mas aí eles podem aprontar juntos e o “preju” vai ser maior) ou um filho pequeno (eu ficaria com essa opção, faz bem para os dois!) ou, em ultimo caso, apelar para os remédios (que pra mim é uma coisa absurda triste e, se possível, devemos evitar ao máximo). Eu acho que nessa hora, o que realmente resolve é só o bom senso. Ter um cão porque VOCÊ se sente sozinho quando volta do trabalho não é o motivo certo para ter um animal. Se sua vida não puder oferecer conforto para o seu cão (e conforto nao é caminha, casinha, roupinha da moda e ração cara.), opte por outra coisa para apaziguar sua solidão. Deixar um animal estressado e sozinho o dia inteiro para que você possa ter companhia e afogar a trsiteza durante poucas horas a noite é egoísta e cruel. Neste caso, compre uma garrafa de vodka que é mais barato, dá menos trabalho e só faz mal a você.

“Meu dono me comprou para que eu fizesse companhia pra ele… mas quem vai fazer companhia pra mim?” =(

Mas e quando o filhote faz tudo certinho?

Lembra do comportamento condicionado do Pavlov? Pois é, bons comportamentos devem ser  recompensados, para que o cãozinho aprenda que “se comportar bem = presente”. Normalmente a gente usa petiscos, mas lembre-se: não abuse deles! Petiscos em excesso engorda! Pode-se substituir o petisco por um carinho ou uma fruta.

Outra coisa que merece um petisco são os eventos traumáticos, como uma visita ao veterinário (a gente estuda cinco anos pra cuidar deles e tudo que conseguimos é ser “um evento traumático”!….chuif), um curativo ou procedimento doloroso, banho, etcs… isso ajuda o cãozinho a ter menos medo da situação, sabendo que, assim que acabar, ele vai ganhar um presente.

 

VACINAÇÃO, VERMIFUGAÇÃO E CUIDADOS VETERINÁRIOS

vacina caoO Universo Canino é muito mais conhecido do que o Universo Felino (o que explica porque meus posts sobre cães costumam ser beeem menos populadres do que os posts sobre gatos). Cachorro todo mundo tem ou já teve e todo mundo acha que já sabe tudo que há para ser sabido sobre cães. Mas não é bem assim! Muita gente acha que sabe tudo de vacinação, mas na hora de vacinar o filhote fica perdidinho e sem saber que vacina deve ser aplicada, quanto tempo depois deve ser feito o reforço e essa coisa toda. Mas sem pânico! Vou explicar tudo direitinho para que você possa vacinar seu filhote numa boa.

Como no caso dos gatinhos, o calendário de vacinação canina não é padronizado. Isso acontece porque algumas regiões têm uma maior prevalência de doenças do que outras além de que, os hábitos seus e do seu cão também interferem na hora de definir o esquema de vacinação. Por exemplo, um cachorrinho de uma região na qual não há surto de Leishmaniose, não precisa ser imunizado contra essa doença.

Quem vai definir o calendário de vacinação do seu cãozinho vai ser o Veterinário, mas em geral é mais ou menos assim (esse é o esquema que EU usava na clínica. Não significa que o seu veterinário irá utilizar um esquema exatamente igual e nem que o esquema adotado por ele seja “mais certo” ou “mais errado”!)

  • 45 dias: Vacina Múltipla – Primeira dose.
  • 66 dias (21 dias após a primeira dose): Vacina Multipla – Segunda dose.
  • 87 dias(21 dias após a segunda dose): Vacina Múltipla – Terceira dose + Antirábica + vacinas comuns da região (contra Giardia, Tosse dos Canis ou Leishmaniose ou outras doenças, que devem seguir as orientações do veterinário quanto a doses multiplas e reforços).
  • Reforço anual.

A Vacina Múltipla é escolhida de acordo com a região e o tipo de vida do seu animal, por isso informe seu veterinário direitinho sobre os habitos do seu cãozinhho! (se ele tem acesso a  rua, se ele veio de um canil, se vc viaja com ele pra praia ou outras cidades, etc). Para os cães existem três tipos de vacinas múltiplas: V8, V10 e V11, sendo que “V” significa “vacina” e o número que segue o V é a quantidade de doenças que seu animal ficará imunizado após a vacinação. Mas, o que é realmente interessante é que todas essas vacinas (não importando qual é o número que segue o “V”) protegem seu cãozinho de sete doenças, que são:

  • Cinomose
  •  Hepatite Infecciosa Canina
  •  Adenovirose
  •  Coronavirose
  •  Parainfluenza Canina
  •  Parvovirose
  •  Leptospirose canina

Aí você se pergunta: porque chama V8, V10 e V11 se todas só protegem contra sete doenças? Não deveriam todas se chamar “V7”?

Pois é, teoricamente sim. Se protege contra 7 doenças, deveria se chamar V7. Mas o que muda de uma vacina para outra são os sorovares da Lepstospira, a bactéria causadora da Leptospirose. E o que são sorovares? De uma forma beeeem grosseira, sorovares são as “raças” da leptospira. Ao todo existem mais de 250 sorovares e cada região possui um sorovar “dominante”. A vacina V8 protege contra dois sorovares (que são os mais comuns nos cães) já a V10 protege contra os dois sorovares da V8 e mais dois e a V11 tem a mesma proteção da V10 acrescida de um sorovar. Deu pra entender?

  • V8= 7 doenças + 2 sorovares de Leptospira
  • V10= 7 doenças + 4 sorovares de Leptospira
  • V11 = 7 doenças + 5 sorovares de Lepospira

Sabendo disso, você certamente ficou com algumas perguntas sobre todos esses “V’s”. Então vamos às dúvidades mais comuns:

  • Pra deixar meu cachorrinho super-hiper-ultra-mega protegido vou aplicar a V11, mesmo que o veterinário diga que ele só precisa da V8, posso??

Melhor não. O seu veterinário conhece melhor do que você quais sorovares de Leptospira são mais comuns na sua região. Só porque uma vacina protege contra 5 sorovares, não significa que ela será melhor para o seu animal do que aquela que protege contra 2, se os outros 3 sorovares não existirem na região em que você mora. Você não precisa e não deve entupir seu animal de vacinas desnecessárias (ainda mais que quanto maior o “V” mais alto o preço da vacina!), se atenha ao que o veterinário falou. Ele sabe o que está fazendo.

  • Meu veterinário não aplicou as vacinas contra Giárdia, Tosse dos Canis, Babesiose, Dermatofitose e Leishmaniose (que eu vi no Googfle que existem!). Acho que ele está conspirando contra a saúde do meu filhote. Vou vacinar mesmo assim!

Mais uma vez, melhor não. Todas as vacinas tem um risco de efeitos colaterais (que podem inclusive levar seu cãozinho à um choque anafilático. Algumas, como a vacina contra Leishmaniose, são MUITO doloridas e deixam o pobre cãozinho “borocoxô” por uns 3 dias. Se o seu cãozinho não precisar tomar, não insista. Ele agradece.), exagerando na vacinação, você só vai estar expondo seu amiguinho à um risco maior de desenvolver efeitos colaterais indesejáveis. Acredite no veterinário. Ele sabe quais vacinas são necessárias e quais podem ser excluídas do calendário vacinal do seu cãozinho, se acordo com a região, hábitos e raça do seu animal.

  • Credôu! Se a vaicna contra Leishmaniose é tão dolorida e elas podem ter tantos efeitos colaterais, não vou vacinar de jeito nenhum!

Acho que nem preciso comentar né? O veterinário só indica vacinas que são necessárias ao seu animal (Tá bom. Eu admito. Existem alguns veterinários que entopem os animais de vacinas desnecessárias só pra lucrar com a vacinação. Mas, de modo geral, nós não fazemos isso!). Se você mora numa região endêmica para Leishmaniose (principalmente no norte do Brasil ou em algumas cidades de São Paulo, como Bauru e Araçatuba ou outras regiões endêmicas – informe-se na secretaria de saúde da sua cidade para saber!), a vacina é indispenavel. A Leishmaniose é uma zoonose e os animais positivos para a doença têm que ser eutanasiados (independente de apresentarem sinais da doença ou não), portanto, se o veterinário disse que precisa…é porque precisa! E um filhote com dores por três dias é melhor do que um filhote morto, certo?

  • Vou vacinar meu filhote o mais cedo possível, pra que ele já fique super imunizado e nunca fique doente! Funciona?

A vacina só deve ser aplicada quando o filhote já tem mais de 45 dias, antes disso não adianta nada. Assim que o filhotinho nasce e começa a mamar, junto com o leite da mãe nas primeiras mamadas vem um boa dose de Imunoglobulinas (ou “Ig”, porque nós somos intimos, ou Anticorpos, se você preferir), da mãe. Essas Ig’s da mãe dão uma super imunidade aos filhotes, ou seja, o filhotinho fica imunizado contra todas as doenças para as quais a mãe tem anticorpos. Só que esta imunidade (chamada imunidade adquirida) não dura pra sempre. Você pode pensar em um gráfico em forma de parábola (um U invertido), a imunidade atinge um pico e depois começa a decair. Assim que essa imunidade adquirida pelo colostro (primeiro leite) cai, é hora de aplicar a vacina. Se a vacina for aplicada antes, quem irá reagir com o antigeno (agente causador da doença) presente na vacina serão os anticorpos da mãe e não do sistema imune do filhote, então, quando os anticorpos maternos “morrerem”  o filhotinho volta a ficar desprotegido, porque o sistema imune dele não teve chance de produzir Ig’s contra o antígeno. O processo é um pouco mais complicado que isso, mas só assim já da pra ter uma idéia de porque é necessário seguir direitinho a idade mínima para vacinação e, porque é de extrema importância vacinar as fêmeas antes de cruzar, já que a primeira imunidade do filhotinho vai ser a imunidade da mãe e, quanto mais protegida ela estiver, mais protegidos ficam os filhotes!.

Aliada à Vacinação e tão imporante quanto, é a Vermifugação. Os vermes podem causar anemia, fraqueza, diarréia e morte em cãezinhos. Em alguns lugares (principalmente nas cidade litorâneas e perto de represas) existe ainda o terrível “verme do coração“, causador da dirofilariose, que pode causar problemas irreversíveis no seu amigo canino. Por isso não deixe de vermifugar! Assim como a vacinação, a vermifugação não segue um padrão. Quem define o calendário é o seu veterinário. Maaaaas, em geral o calendário segue este esquema:

  • 30 dias: 1a dose de vermífugo
  • 40 dias: 2a dose de vermífugo
  • Reforço de 2 em 2 ou 3 em 3 meses no primeiro ano de acordo com a raça do animal.

Depois de adulto a vermifugação deve ser reforçada a cada 4 ou 6 meses, dependendo da região, habitos do cão, etc, etc. O veterinário irá orientar.

Importante: Não deixe a presença de vermes no seu cãozinho ser confirmada para só então vermifugar!!! A vermifugação deve ser como prevenção!! O mesmo para a vacina, depois de doente, não adianta vacinar!

E quanto às visitas regulares ao Veterinário, não deixe de realizá-las!! Logo que adquirir seu cãozinho, já corra para um veterinário de confiança para uma primeira consulta. Retorno a cada 6 meses para um check up também é muito importante! Quanto mais cedo as doenças forem diagnosticadas, mas fácil e eficaz é o tratamento!

Como vê, existem uma série de cuidados que devem ser tomados com o seu canino. Humanos têm que se tratar para combater obesidade, gastar com academia, cuidar da aparência (onde comprar o creme ageless), cabelos, etc.. Seu pet também já dispões de ótimos tratamentos.

Qualquer anormalidade com seu filhote, procure o veterinário o mais rápido possivel! Não espere a doença piorar, o caroço crescer, a orelha sarar…o “vou deixar como está pra ver como que fica” muitas vezes acaba sendo fatal!

E, agora que você já sabe direitinho como cuidar do seu filhote, é só aproveitar e se divertir com o seu novo amiguinho!

SPA PARA PETS

dog spaVocê sabia que existe SPA para animais? Da mesma forma que existe para humanos, mas adaptado à natureza dos bichinho. Os humanos tem um arsenal de técnicas, produtos, como green coffee slim para auxiliar no tratamento de obesidade, doenças, melhora da pele, beleza e saúde. Muitas dessas técnicas já estão disponíveis para o seu pet. Veja algumas abaixo.

Acupuntura

É uma técnica que utiliza agulhas muito finas aplicadas nos pontos de acupuntura que atingem os meridianos que são canais de energia que percorrem o corpo abaixo da superfície da pele. Cada trajeto de meridiano acompanha os aspectos dos sistemas linfáticos, circulatórios musculares e nervosos, que formam uma rede e se comunicam com todas as partes do corpo.

A acupuntura é utilizada para prevenir e tratar doenças de várias origens.

A estimulação destes pontos pode ser efetuada por técnicas que incluem a inserção de agulhas, injeção de fármacos, laser 904 nm, estimulação elétrica, indução magnética ou moxabustão que consiste na queima de uma “mocha” de erva Artemísia.

Agulha Seca

Introdução de finas agulhas nos chamados acupontos. As agulhas são as mesmas utilizadas na acupuntura humana e os animais costumam suportam bem o uso desta técnica.

Eletroacupuntura

Consiste em estímulos elétricos em pontos de acupuntura. A eletroacupuntura é utilizada em animais com dor ou em quadros de paralisia dos membros, entre outros. Através desta técnica é enviada uma corrente elétrica através das agulhas para estimular os pontos de acupuntura. É utilizada para potencializar seu efeito ou promover analgesia, tendo como principal indicação em animais com paraplegia, paralisia de membros ou tetraplegia/tetraparesia e alívio da dor.

Moxabustão

A moxa é um método terapêutico no qual a erva Artemísia vulgaris é queimada sobre a pele ou acima dela, de forma indireta nos acupontos ou acoplado as agulhas. É usada em diversas patologias, sobretudo em animais geriatras, para alívio de dores e cicatrização de feridas.

Farmacupuntura

É a injeção de substâncias ou fármacos em pontos de acupuntura e tem o objetivo de potencializar o efeito destes fármacos e de prolongar ou potencializar o efeito da acupuntura (B12, glicose, sangue, soro, lidocaína, medicamentos, etc.).

Laserpuntura

É a utilização do laser de baixa frequência para a estimulação dos pontos de acupuntura. O grande benefício desta técnica é não causar dor, podendo ser utilizada em animais que não aceitam a inserção de agulhas, como em felinos, animais silvestres ou os mais sensíveis e inquietos.

Implante de Ouro

É a inserção de pequenos fios de ouro 18 quilates em pontos de acupuntura. É uma técnica utilizada principalmente em doenças osteomusculares como displasia coxo-femoral, também para o controle de convulsões, entre outros. É uma forma de estimulo contínuo dos pontos. O pet precisa estar sedado e o ouro não causa reação no organismo.

Stiper

O Stiper é uma pastilha de celulose contendo óxido de silício (SiO2) de 14 mm de diâmetro por 3 mm de espessura e pode ser usado para substituir as agulhas objetivando tratar diversas enfermidades. Dentro da veterinária muitos animais podem ser beneficiados, pois eles respondem bem melhor à acupuntura do que os próprios seres humanos (KWANG, 2009). As pastilhas podem ser usadas em animais que rejeitam agulhas ou também como adjuvante no tratamento com acupuntura e fisioterapia, gerando um estímulo maior, a depender do caso.

POR QUE AMAMOS CACHORROS?

cachorro
Os antropólogos aceitam que, desde o surgimento do homem sobre a face da terra, ele sempre esteve acompanhado do cão. Inseparável amigo, das horas alegres e amargas, eterno defensor do dono, propiciador de muitas alegrias, etc.

De todos os animais do mundo, nenhum exerce tanto fascínio e desperta tanta paixão quanto o cão. Essa criatura que de tanta inteligência chega a imitar o comportamento humano em alto grau. Reunimos aqui 7 razões pelas quais amamos os cães.

1 – Ajudam na recuperação

Cães tem se tornado aliados na recuperação de pacientes, especialmente de crianças especiais e já tem sido usados com sucesso em hospitais que tratam esse tipo de crianças.

2 – Não magoam

É bem comum ouvirmos pessoas se queixando de que foram magoadas por outras pessoas e que, por isso, preferem os animais. Um cão faz com que nos sintamos úteis, importantes, desejados; e esses sentimentos são importantes principalmente depois que sofremos alguma decepção ou somos magoados por um ente querido no qual havíamos depositado confiança e afeto. Um cachorro não consegue enxergar nossos defeitos.

3 – Proporcionam segurança

Parece clichê, já que essa é a função mais comum do cachorro; proteger o dono e a casa. Mas há também outro tipo de segurança, segurança emocional pois ele vai te ouvir sem censurar e você pode até mesmo abraça-lo para sentir mais conforto.

4 – São divertidos

Eles aprontam muitas coisas, algumas involuntariamente, mas desconfiamos que outras são de propósito para nos fazer rir e entreter, como roubar comida, mostrar aquela cara típica de culpa, fazer palhaçadas, uivar de forma diferente, correr atrás da cauda, etc.

5 – Ajudam a manter a forma

Caminhar já é bom; se for com o pet se torna ainda melhor. Cães tem uma necessidade natural de caminhar e ficam muito felizes quando estão numa caminhada com o dono. Além disso, costuma facilitar a socialização durante a caminhada quando as pessoas se aproximas para elogiar o cão, perguntar e falar sobre ele.

6 – Ajudam a liberar o hormônio ocitocina

Já foi comprovado cientificamente que cachorros fazem liberar em nós a ocitocina (hormônio do amor), semelhante ao que uma mulher grávida libera. Tal hormônio está ligado à sensação de fidelidade, segurança, prazer e bem-estar físico e emocional.

7 – Ajudam a aliviar/curar depressão

Todos passamos por fases e momentos de dor, tristeza e sofrimento. Essa dor é amenizada com a presença de um canino, pois podemos desabafar com ele sem sergaroto_cachorromos chatos, abraçá-lo e acariciá-lo. A presença de um cão nos alivia a sensação de solidão.


Enfim, a lista poderia continuar indefinidamente, mas isso iria além do escopo no nosso artigo. O objetivo aqui é tão somente prestar uma homenagem a estra criatura que tem nos acompanhado desde o romper da aurora. Veja o vídeo abaixo que fala destas e outras razões para se ter um cachorro.